Seagri e frigoríficos dialogam sobre ampliação da capacidade de abate de bovinos em Sergipe

Nesta segunda-feira, 22, o secretário de Estado da Agricultura, Zeca da Silva, esteve reunido com os proprietários de frigoríficos instalados em Sergipe para dialogar sobre a ampliação da capacidade de abate de bovinos no estado. Sergipe tem, hoje, quatro frigoríficos com certificado do Serviço de Inspeção Estadual – SIE, emitido pela Emdagro, autorizando o funcionamento do local.

 

De acordo com a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), no ano de 2023 foram abatidos 193.497 bovinos nas quatro empresas com certificação. Os dados são do sistema informatizado que controla a emissão das Guias de Trânsito Animal (GTA), procedimento obrigatório de controle do Governo Estadual.

 

O secretário de Estado da Agricultura, Zeca da Silva, pontuou que o objetivo principal do encontro com os empresários é tratar da absorção da demanda de abate, principalmente na região Norte de Sergipe. “Sabemos que existe um estrangulamento, ou seja, uma demanda grande de abate no estado e precisamos ver de que forma os empresários podem ampliar os serviços. Nós sabemos, por exemplo,  que já existe o anúncio de abertura de mais um frigorífico em Muribeca, do grupo empresarial Hiper Carnes, e isso é muito bom”, destacou Zeca.

 

O grupo do frigorífico Serrano, representado pelo empresário Manoel Moacir Souza, informou, em primeira mão, que está realizando ampliação de 35% de seu empreendimento em Itabaiana. Atualmente o frigorífico Serrano tem capacidade de abate de 730 bois por dia. Segundo o empresário, um dos gargalos é a programação de abate. “A maior parte dos feirantes querem o boi abatido entre sexta-feira e sábado, enquanto outros dias da semana o abatedouro fica ocioso”, explicou Moacir.

 

Os empresários assumiram o compromisso de ampliar os serviços de abate. Outra sugestão de encaminhamento foi a realização de reunião entre a Emdagro e as prefeituras para ver de que forma podem ajudar os marchantes e feirantes no transporte dos animais entre o frigorífico e as feiras, como também criar condições de refrigeração para receber o boi abatido dentro de uma programação que não extrapole a capacidade dos abatedouros.

 

A reunião contou com a participação da representante do frigorífico D`Matta, Bianca Pimentel Silva; do Hiper Carnes, Marconi Passos; do Frigorífico Serrano, Manoel Moacir; e do Nutrial, Erivan Rodrigues. Participaram ainda o presidente da Faese, Ivan Sobral, e o superintendente do Senar, Denio Leite.

TExto/Foto: Ascom/Seagri

Parceiros:

Última atualização: 15 de fevereiro de 2024 09:25.