Assistência técnica permanente da Emdagro reconhece e valoriza trabalhadoras rurais

 
Ferramenta metodológica foi criada para facilitar e ajudar no dia a dia da trabalhadora rural
 

Neste 8 de março, quando se comemora o Dia Internacional da Mulher, muito tem o que se destacar pelo protagonismo da mulher no desenvolvimento do setor agrícola, em Sergipe. Além do cuidado com a família, elas se destacam na produção de alimentos, na criação de animais, produção de artesanato, no plantio desde a semeadura até a colheita de forma sustentável e ainda são exemplos como guardiãs da biodiversidade. As mulheres trabalhadoras rurais também têm conquistado maior visibilidade e reconhecimento de seu papel na segurança da renda familiar.

O trabalho permanente de assistência técnica e extensão rural desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, do Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) e de sua vinculada, a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), vem motivando as mulheres trabalhadoras do campo a avançarem ainda mais em seu trabalho diário a exemplo de ações como horta comunitária com abordagem sustentável, assistência à criação de animais como ovinocaprinocultura e avicultura, artesanato e a aplicação de método monitoramento com as cadernetas agroecológicas.

Ferramenta metodológica criada para facilitar e ajudar no dia a dia da trabalhadora rural, as cadernetas agroecológicas contribuem para o entendimento de que a produção agrícola não lhe traz apenas uma renda complementar, e sim essencial. “Nelas as mulheres agricultoras anotam a produção obtida, considerando os produtos que consomem, vendem, trocam ou fazem doação, o que tem contribuído muito para mensurar o empoderamento econômico dessas trabalhadoras rurais, assim como tem feito a conexão com diversas políticas públicas”, observa Abeaci dos Santos, gestora de Organização e Desenvolvimento Social da Emdagro.

“A ferramenta auxilia especialmente na Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, a exemplo quando se discute as formas de aproveitamento dos alimentos, os desperdícios no momento da colheita e do transporte, do acondicionamento dos produtos e ainda a preocupação com o alimento seguro e livre das práticas intolerantes ambientais”, ressaltou.

Abeaci explica que, a partir da abertura e apoio oportunizado pela Constituição Federal de 1988, observou-se que as mulheres trabalhadoras rurais começaram a participar de diversas organizações, fortalecendo ainda mais suas lutas, em busca da ampliação de oportunidades de trabalho e renda, e contribuindo de forma mais concreta com o crescimento e desenvolvimento de suas comunidades, seus municípios e do próprio país. 

“Foi durante esse processo que ocorreu a inserção das mulheres, de forma definitiva, nos espaços produtivos, nos mercados e na comercialização dos produtos, fato que caracteriza uma coisa que chamamos de Negócio Agrícola, visto que as mulheres passaram a entender que era possível dar um rumo diferenciado às suas atividades produtivas”, destacou Abeaci. “Também devemos considerar o manejo sustentável dos recursos naturais, que é uma marca importante da base econômica das mulheres e com isso, elas vão ganhando notoriedade”.

A produtora rural Ângela Maria de Jesus Feitosa, de 56 anos, fala com orgulho de tudo que conquistou na agricultura até hoje. Natural de Aquidabã, é a segunda do total de nove filhos, de um casal de agricultores, e mãe de duas filhas, criadas e educadas graças à força e perseverança de seu trabalho na terra, conforme ela faz questão de ressaltar. “Tenho uma filha engenheira florestal, formada pela Universidade Federal de Sergipe e a mais nova também já cursando a faculdade e isso se deve ao meu esforço, juntamente com meu marido, em nosso pedaço de terra, onde plantamos desde hortaliças a batatas, mandioca, feijão, inhame, macaxeira, entre outras culturas, sempre observando e respeitando o meio ambiente”, disse a agricultora que planta e comercializa seus produtos na Colônia Treze, município de Lagarto. “Devo muito do que conquistei até hoje à Emdagro, por ter me dado o conhecimento necessário, por meio de cursos e tecnologias apresentadas que me ajudaram muito a chegar até aqui”, ressaltou Ângela.     

Encontro no Dia da Mulher
Para marcar o Dia das Mulheres com as mulheres do campo, a Seagri, por meio da Emdagro, realiza encontro com as trabalhadoras rurais da comunidade Piragi, município de Capela. Na oportunidade será feita uma avaliação sobre as ações já realizadas e debate com as agricultoras sobre “Diversificação de Cultura”. A comunidade já é atendida com o projeto de horticultura, com distribuição de sementes de hortaliças.

* Matéria produzida pela SEAGRI

Parceiros:

Última atualização: 14 de março de 2023 11:35.